Descobrindo o Amor – Capítulo 1: A Guerra de Bolos.

Capítulo 1: A Guerra de Bolos.

Você deve estar se perguntando quem é essa mulher atirando bolos nesse homem no meio da rua a essas horas da tarde, bem essa é Aline Aparecida Ferreira. E para te explicar o porquê ela e esse brutamontes musculoso estão discutindo e disparando bolos um contra o outro, primeiramente preciso te contar como chegamos até aqui!
Como havia comentado anteriormente, essa é Aline e ela vive aqui, na cidade maravilhosa, a linda e charmosa Rio de Janeiro, mais especificamente no Leblon. Aline se mudou para cá com apenas 18 anos, uma jovem menina que veio do Rio Grande do Sul para o Rio de Janeiro cheia de sonhos e vontade de vencer.


10 anos atrás…


— Vamos lá Aline! Foi para isso que você veio para cá! — Pensou a jovem preparando-se para sair vender seus quitutes.
Aline pega sua cesta cheia de bolos e doces feitos por ela mesma e parte em direção a orla de Copacabana.
— Oi, me vê uma fatia de bolo por favor! — Pediu o jovem Erick.
Erick era um jovem estudante de direito que estava prestes a se formar advogado.
— Claro, você quer de quê? — Perguntou Aline.
— Pode ser de chocolate! — Respondeu Erick.
— Vem cá, você não é daqui não né? — Questionou Erick.
— Não, cheguei recentemente a cidade, sou do Sul. — Respondeu a jovem.
— Percebi pelo seu sotaque, bem-vinda ao Rio! — Disse o rapaz.
Erick era um jovem bom, ele adorava ajudar as pessoas e detestava injustiças, por isso optou formar-se em direito, para ajudar aqueles que mais precisavam.
— Obrigada pelas boas-vindas, desde que cheguei me vi assustada, mas não fujo do serviço não, comecei a vender bolos e doces hoje e estarei aqui todos os dias, mas e ai o que você achou? — Questionou Aline apreensiva com a resposta.
Erick come um pedaço do bolo e tem uma surpresa, era como se uma alegria invadisse seu coração repentinamente, ele não sabia explicar, mas aquela havia sido a melhor fatia de bolo que Erick já comeu na vida, ele sorri para a jovem que aguarda ansiosamente um veredito.
— Uau! É delicioso, eu nunca comi nada igual, parabéns… — Disse Erick estendendo a mão a Aline.
— Aline! Meu nome é Aline! — Respondeu a jovem apertando a mão de Erick.
— Sou Erick! E tenha certeza de que amanhã voltarei! Agora preciso ir até mais Aline. — Despediu-se o rapaz.
Aline observa Erick ir embora pela orla de Copacabana animada, a jovem tem um pressentimento, ela sabia que aquele era só o começo, mas mesmo assim já deslumbrava um futuro grandioso.


De volta a atualidade…


No Rio de Janeiro Aline enfrentou diversas batalhas, até que finalmente construiu seu império de doces, atualmente ela é dona de uma rede de confeitarias, e lá eles vendem de tudo, bolos, doces, pães… tudo que você quiser eles fabricam, dos produtos mais simples aos mais sofisticados, tudo que se pode imaginar eles fazem.
Hoje Aline se reuniu com seus advogados, Taisa e Erick, sim o Erick lembra dele pois então ele se formou e hoje é um dos melhores advogados do país. Taisa é uma menina inteligentíssima e sempre foi muito amiga de Aline, desde que ela chegou ao Rio, já que as duas dividiram apartamento por um bom tempo.


10 anos atrás…


No aeroporto Aline desembarca e sente-se assustada, era uma cidade nova e muito diferente de onde ela viera, Porto Alegre é a capital do Rio Grande do Sul, mas ainda não se comparava ao Rio de Janeiro, tudo era diferente ao que Aline viveu ou conheceu.
— Com Licença, será que você pode me ajudar? — Disse Aline a uma mulher que a acompanhava no portão de desembarque.
— Me desculpe, estou atrasada! — Declarou a mulher afastando-se de Aline.
— Com licença senhor, será que você pode me ajudar? — Perguntou Aline a um homem que também passa pelo portão de desembarque, mas dessa vez esse nem respondeu.
— É as coisas aqui serão diferentes! — Declarou Aline.
Aline segue e ao sair do aeroporto assusta-se ainda mais, o que ela faria agora? Ela era apenas uma jovem assustada em uma cidade grande. A jovem pensa e toma coragem, ela sempre enfrentou seus medos e nunca fugiu da luta, era hora de encarar essa nova realidade.
— Boa noite! Eu preciso de um… — Dizia Aline a um taxista até ser interrompida por uma voz feminina que vinha em direção a eles.
— Boa noite, você pode me levar a esse endereço? — Questionou uma moça entregando um papel para o taxista.
— Claro! — Respondeu o taxista.
— Ah, me desculpe, você ia pegar esse? — Questionou a moça apontando para o taxi.
— É na verdade eu nem sei… sou nova aqui, estou perdida e preciso encontrar alguma pensão ou coisa do tipo. — Respondeu Aline.
— Bem, você precisa de um lugar para ficar então? — Perguntou a moça.
— É, preciso… — Confirmou Aline um pouco envergonhada.
— Olha só, tenho um quarto para alugar se você quiser, moro no Rio a alguns meses e aluguei um apartamento grande, se tiver interesse a gente pode dividir. — Ofereceu a moça.
— Claro! Tenho sim! — Respondeu Aline animada.
— Ótimo! Aliais, me chamo Taisa! — Disse a moça estendendo a mão a Aline.
— E eu Aline! — Respondeu a jovem apertando a mão de Taisa.


De Volta a atualidade…


Atualmente Taisa e Erick trabalham com Aline como seus advogados e os três estão em uma reunião importantíssima para o futuro da rede de confeitarias Doce Mel.
— Aline, você precisa se casar! Essa é uma das condições do contrato, os sócios precisam ser casados. — Informou Erick.
— Isso é um absurdo, não faz sentido nenhum essa condição! — Respondeu Aline.
— Nós sabemos, mas são as regras, não há o que fazer ou é isso ou você perde o acordo! — Disse Taisa.
— E como vou arrumar um marido a essa altura do campeonato? Vocês pensaram nisso? — Revidou Aline.
De repente ouve-se gargalhadas vindas do estabelecimento do outro lado da rua, O estabelecimento era uma loja de suplementos alimentares, Aline odiava aquela loja, o dono era completamente insuportável, estava sempre alegre e otimista, a felicidade dele era realmente algo surpreendente, para ele não havia tempo ruim.
— Olha lá, lá estão eles, não sei como está tudo sempre bem na vida deles, esse povo não tem um problema para lidar não?? — Comentou Aline enquanto observa ao lado de Taisa e Erick os meninos descarregando uma carga de suplementos que acaba de chegar na loja.
— “Vambora, Vambora” que o dia é longo rapaziada! — Disse Erick, o dono da loja, enquanto os meninos descarregavam as caixas do caminhão.
— Iiiii, a lá Erick, parece que alguém já chegou para trabalhar! Hahaha. — Falou um dos funcionários da loja apontando em direção a fábrica Doce Mel.
Erick vira-se em direção a fábrica e percebe Aline e seus advogados os observando.
— Ele nos viu!? — Disse Aline a Taisa e Erick (advogado) enquanto os três escondem-se atrás das cortinas.
— Acho que não! — Respondeu Erick (advogado).
— Bem que você podia casar com ele né? — Propôs Taisa a Aline.
— O que??? Você pirou é garota? Eu nunca casaria com aquele brutamontes cheio de músculos, aliás pelo visto é a única coisa que ele tem né? Músculos. — Respondeu Aline, descartando a ideia da amiga.
— Bem, o fato é que você precisa se casar com alguém, com ele ou não, você precisa estar casada em uma semana. — Disse Taisa.
— Me deixem pensar, anda, saiam daqui. — Falou Aline dispensando os advogados da sua sala.
De volta a loja de suplementos, Erick faz a conferência dos produtos que acabaram de chegar, mas é interrompido por uma pequena discussão que começará em frente a loja.
— Ei, ei você não pode estacionar aqui não, nós estamos aguardando mais uma carga que já está para chegar. — Disse Pedro, um dos funcionários de Erick ao motorista do caminhão que vinha buscar os produtos da fábrica para uma das confeitarias de Aline.
— O que está rolando aqui? — Questionou Erick interrompendo a discussão.
— Esse cara quer estacionar na vaga, mas a próxima carga já está para chegar. — Respondeu Pedro.
— Calma cara, a gente pode… — Mas antes que ele pudesse concluir a frase Aline chega e interrompe-o.
— Que palhaçada está rolando aqui? — Disse Aline, disposta a encerrar a discussão.
— O que acontece é que esses rapazes não me deixam estacionar aqui para carregar os bolos dona Aline. — Disse o motorista do caminhão.
— A é, e por um acaso a rua é sua senhor Erick? Você comprou esse estacionamento para você e esqueceu de avisar é? — Provocou Aline.
Erick então vira para ela e pensa bem antes de falar:
— Olha, não vou discutir com você, não vale a pena, quero ter um bom dia hoje, e isso nunca acontece quando eu discuto com a vossa senhoria. — Respondeu Erick em tom de deboche.
— A é mesmo, pois saiba que comigo acontece o mesmo, seu brutamontes. — Disse Aline provocando-o.
— Iiiihh… — ouviu-se um coro das vozes dos funcionários de Erick.
— Eu posso até ser um brutamontes, mas pelo menos as pessoas gostam de mim, ao contrário de você que mais parece uma fera. —Respondeu Erick.
Quando ele termina sua frase, o tempo simplesmente fecha e de repente Aline surta e perde totalmente o controle, Aline detesta ser chamada de fera, ela passou a infância toda sendo chamada de ferinha, por conta de sua mãe que sempre foi muito explosiva, infelizmente a menina acabou herdando esse temperamento da mãe e acabou se tornando uma pessoa um pouco difícil de lidar, e Erick sabia qual era seu ponto fraco.
— FERA!? COMO VOCÊ OUSA ME CHAMAR DE FERA, SEU MONTE DE MUSCULOS, GROCEIRO!!! — Gritou Aline ateando bolos e doces em direção a Erick e seus funcionários ali mesmo, no meio da rua.
— MALUCA! — Gritou Erick.
— MALUCA É SUA MÃE SEU BRUTAMONTES! — Revidou Aline.
— Aline, pelo amor de Deus… — Tentava conter Taisa.
— PELO AMOR DE DEUS É O CAR… — Respondeu Aline em fúria.
— ALEM DE DOIDA AINDA É MAL EDUACADA! — Provocou Erick.
— OOOOOHHHH!!! — Ouviu-se um couro das vozes das pessoas ali presentes.
— EU VOU TE MOSTRAR QUEM É MAL EDUCADA! — Respondeu Aline atirando um bolo inteiro no rosto do rapaz.
Foi o maior barraco, Aline teve que ser contida por Taisa enquanto Erick tentava desviar dos arremessos de bolo, sobrou até para o motorista do caminhão de suplementos que acabava de chegar para descarregar mais uma remessa. E assim retornamos ao início da nossa história, A Guerra de Bolos.
Em seu escritório Aline limpa-se dos bolos que arremessou em Erick no meio da rua:
— Aquele brutamontes pensa que é quem para me chamar de fera? Eu devia processa-lo! — Disse Aline ainda cheia de ódio.
— Processa-lo? Você está maluca, no meio do nosso negócio milionário, você não pode se envolver em nenhum problema jurídico não Aline. — Falou Erick (advogado).
— Mas Erick, você viu o que… — Falava Aline até ser interrompida.
— Não Aline, o Erick tem razão, você não pode meter-se em nenhum problema jurídico até fechar o contrato. — Decretou Taisa.
Na loja de suplementos, Erick também limpava-se dos ataques de bolos que havia sofrido por Aline:
— Essa mulher é maluca, completamente pirada, é por isso que está solteira, quem irá querer dividir a vida com essa maluca. — Resmungou Erick.
— Mas quem iria querer dividir a vida comigo? — Disse Aline a Erick (advogado) e Taisa.
Quem iria aceitar dividir a vida com uma fera, essa era a pergunta que precisava ser respondida, o negócio é muito bom para Aline, mas ela precisa estar casada. Aline precisa de ajuda, ela precisa de um sócio.

Continua…

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑