Inspirações: As mulheres da minha vida

Por: Fábio Anhaia

A nossa vida é rodeada de mulheres inspiradoras, mulheres que trabalham, cuidam da família, da casa, mulheres que enfrentaram e enfrentam o mundo preconceituoso e dominado por homens ao qual vivemos. A minha vida não é diferente, ao longo desses vinte e cinco anos conheci muitas mulheres incríveis, mas duas delas eu não deixo de exaltar nunca, tamanho orgulho que sinto.

Amanda, minha irmã é incrível, uma mulher de apenas vinte e um anos, mas que já tem uma opinião fortíssima, aliais isso é o que mais admiro nela. Amanda não leva desaforo para casa, repudia preconceito e machismo, defende suas teses com muito vigor, minha irmã com toda a certeza do mundo é uma mulher incrível.

Minha mãe é uma verdadeira guerreira, eu sei que isso parece clichê, mas acredite não é, só eu sei o que ela enfrentou e enfrenta, mesmo assim ela não desiste nunca. Cheia de opinião (foi daqui que minha irmã herdou) minha mãe não baixa a cabeça para nada e nem ninguém. Uma mulher forte é pouco para descreve-la.

Essas duas mulheres são grandes inspirações, dentre tantas outras mulheres que já passaram em minha vida, elas marcam a minha história, me inspiram e me ensinam.

O orgulho que sinto por tê-las ao meu lado é gigantesco, não tenho como descrever a admiração quando elas opinam em discussões importantes, saber que minha avó e minha mãe criaram e educaram duas mulheres para sobreviver ao mundo horrível ao qual vivemos é emocionante.

E você, conta para mim qual é a mulher mais inspiradora que você conhece.

Arco Íris Futebol Clube – Parte I

Autor: Fábio Anhaia

É o primeiro dia de aula na escola nova de Roberto, o menino está nervoso pois não conhece ninguém.

— Olá Roberto! Tudo bem? — Disse a professora.

— Por favor, levante-se e apresente-se para turma! — Solicitou a professora.

As mãos de Roberto suam frio, ele sente que está prestes a ter um colapso.

— Eu… bem… eu sou Roberto… tenho 15 anos e vim de São Paulo. — Respondeu o menino quase desmaiando de nervoso.

— Muito bem, pode sentar-se vamos iniciar a aula! — Disse a professora.

No intervalo não foi muito diferente, Roberto sentia-se assustado, ninguém se quer veio lhe dar as boas-vindas, ou quase ninguém.

— Olá! — Disse Matheus.

— Oi, tudo bem? — Respondeu Roberto.

— Tudo, e com você? Parece nervoso! — Disse Matheus.

— Bem… eu… é que… — Tentava responder Roberto em meio a gaguejos.

— Fique calmo, está tudo bem, esse tipo de coisa acontece com todos quando começamos em uma nova escola, em uma nova cidade, fique tranquilo, eu me chamo Matheus! — Disse o jovem tentando acalmar Roberto.

— Muito prazer, e obrigado por ser legal comigo! — Agradeceu Roberto.

— Aliais, eu sou Roberto! — Disse o garoto.

— Eu sei, veio de São Paulo, estamos na mesma sala… — Disse Matheus.

— Ah, desculpe, não percebi, estava nervoso… — Respondeu Roberto.

Os dois jovens conversam o intervalo todo, trocam experiências escolares, contam seus hobbies e tudo mais. No fim do intervalo eles retornam a sala e no fim do dia partem para casa.

Uma semana depois Roberto e Matheus já haviam se tornado grandes amigos, a forma com que Matheus acolheu Roberto o tocou e ele já o considerava seu melhor amigo na cidade, mas além de Matheus, Roberto também fez amizades com outros garotos, principalmente os do time de futebol da escola.

No treino para o campeonato municipal de futebol, Pedro chama Roberto de canto.

— Então eu só queria te dar um toque irmão. — Disse Pedro.

— Toque? Que toque? — Questionou Roberto confuso.

— É sobre Matheus… é que nós do time achamos melhor que você se afaste dele, vai por mim, não vai querer que te associem a ele. — Disse Pedro.

— Do que você está falando? — Questionou Roberto.

— É que você sabe… Matheus é diferente dos outros garotos, me entende? — Disse Pedro.

— Diferente? Matheus é como qualquer um de nós! — Respondeu Roberto.

— Não cara, nós somos homens! Matheus não é homem! — Declarou Pedro.

— Você nunca percebeu? Olha como ele se veste, ele só anda com as meninas, achei que já tivesse notado! — Concluiu Pedro deixando Roberto pensativo.

Roberto nunca parou para notar, mas o que Pedro falou fazia todo sentido, Matheus era mais delicado que os outros meninos, os amigos dele na grande maioria eram meninas, exceto Roberto.

Continua…

Essa foi a primeira parte do texto Arco Íris Futebol Clube, na sexta-feira você vai acompanhar mais uma parte desse texto que está demais. Não esqueça, curta e compartilhe com os amigos.

Comenta aqui embaixo se você está gostando e está ansioso pela proxima parte.

Feliz mês do orgulho LGBTQIA+, que todos possam amar sem medo do preconceito!

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑